Arquivo para ‘Lava Jato’ Categoria

Ex-ministro e empresários são presos na Operação Skala, da PF

 

São Paulo – O ex-ministro Wagner Rossi chega à sede da Polícia Federal em São Paulo EFE/Sebastião Moreira/Direitos Reservados (Reprodução)


  • 29/03/2018 12h16
  • Brasília e São Paulo

Alex Rodrigues e Fernanda Cruz – Repórteres da Agência Brasil


O ex-ministro da Agricultura e ex-presidente da estatal Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), Wagner Rossi, e os principais executivos de dois grandes grupos empresariais de logística de transportes foram detidos hoje (29), em caráter temporário, no âmbito da Operação Skala, deflagrada pela Polícia Federal (PF).

Presidente do Grupo Rodrimar, Antônio Celso Grecco foi detido em Monte Alegre do Sul, no interior de São Paulo, e chegou à superintendência da PF em São Paulo por volta de 11h. Já a empresária Celina Torrealba, uma das proprietárias do Grupo Libra, foi detida em seu apartamento, no Rio de Janeiro.

Fachin inclui Temer em inquérito que investiga repasses da Odebrecht

Reprodução Agência Brasil / EBC


  • 02/03/2018 15h43 – Brasília

Felipe Pontes – Repórter da Agência Brasil


O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), acatou pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) e incluiu o presidente Michel Temer como investigado em um inquérito da Lava Jato no qual já são investigados os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência).

O caso envolve o suposto favorecimento da empresa Odebrecht durante o período em que Padilha e Moreira Franco foram ministros da Secretaria da Aviação Civil, entre os anos de 2013 e 2015. O Palácio do Planalto informou que não vai comentar a decisão de Fachin.

De acordo com depoimento de delação premiada do ex-executivo da Odebrecht Claudio Melo Filho, houve um jantar no Palácio do Jaburu, em maio de 2014, para tratativas de um repasse de R$ 10 milhões como forma de ajuda de campanha para o PMDB, atualmente MDB.

Moro condena Lula a nove anos e seis meses de prisão no caso triplex

Reprodução|: Ex-presidente Lula participa da 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)


  • 12/07/2017 15h03 – Brasília

Ivan Richard Esposito – Repórter da Agência Brasil*


O juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, condenou nesta quarta-feira (12) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A condenação é relativa ao processo que investigou a compra e a reforma de um apartamento triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo. A sentença, divulgada hoje (12), prevê que Lula poderá recorrer da decisão em liberdade.

Na decisão (clique aqui para acessar a íntegra), Moro afirma que as reformas executadas no apartamento pela empresa OAS provam que o imóvel era destinado ao ex-presidente.

Mais US$ 3,5 milhões de corrupção depositados na Suíça são devolvidos ao Brasil


  • 05/07/2017 19h43 – Brasília

Sabrina Craide – Repórter da Agência Brasil


Operação Lava Jato

Reprodução Web

Mais US$ 3,5 milhões que estavam em uma conta na Suíça foram repatriados aos cofres públicos do Brasil. A conta era controlada pelo ex-gerente de empreendimentos da área de Gás e Energia da Petrobras Edison Krummenauer, que fechou um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal no ano passado, no âmbito da Operação Lava Jato.

A repatriação do dinheiro foi informada por autoridades suíças ao Ministério da Justiça brasileiro. Também foram obtidos documentos bancários referentes à mesma conta, que serão utilizados nas investigações e processos criminais. Em 2017 já foram repatriados US$ 10,2 milhões por intermédio de cooperação jurídica provenientes de investigações da Lava Jato.

Krummenauer admitiu controlar a conta para recebimento de vantagem ilícita. O dinheiro era proveniente de crimes de corrupção de funcionários públicos e de lavagem de dinheiro.

“Político que disser que não recebeu caixa 2 está mentindo”, diz Odebrecht


Reprodução


13/04/2017 16h22 – Brasília

André Richter – Repórter da Agência Brasil


O empresário Marcelo Odebrecht disse, em um dos seus depoimentos de delação premiada, que todos os políticos usam recursos de caixa 2 para financiarem suas campanhas. Em um dos depoimentos gravados pela força-tarefa de investigadores da Operação Lava Jato e divulgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Marcelo disse que está mentindo o político que afirma não ter recebido valores não contabilizados em campanhas eleitorais.

Saiba Mais
PT, PMDB e PSDB têm maior número de nomes na lista de investigados
Lava Jato: entenda os próximos passos após a abertura de inquéritos no STF

“Eu não conheço nenhum político no Brasil que tenha conseguido fazer qualquer eleição sem caixa dois. O cara pode até dizer que não sabia, mas recebeu dinheiro do partido que era caixa 2. O político que disser que não recebeu caixa 2 está mentindo”, afirmou o delator.

PT, PMDB e PSDB têm maior número de nomes na lista de investigados


Reprodução


  • 12/04/2017 19h54 – Brasília

Sabrina Craide e Ivan Richard Esposito – Repórteres da Agência Brasil


A lista de ministros, governadores, senadores e deputados que serão investigados por determinação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), tem 16 nomes do PT, 14 do PMDB e 11 do PSDB. Todos foram citados nos depoimentos de delação premiada de ex-diretores da empreiteira Odebrecht, no âmbito da Operação Lava Jato.

A relação também inclui oito nomes do PP, seis do PSD, quatro do DEM, quatro do PSB, três do PR, três do PRB, dois do PCdoB, além dos partidos PPS, PTC e SD, com um nome cada.

Com a abertura da investigação, os processos devem seguir para a Procuradoria-Geral da República (PGR) e para a Polícia Federal (PF) para que sejam cumpridas as primeiras diligências contra os citados. Ao longo da investigação, podem ser solicitadas quebras de sigilo telefônico e fiscal, além da oitiva dos próprios acusados.

STF vai investigar 8 ministros, 24 senadores e 42 deputados citados em delações


Reprodução


  • 11/04/2017 21h38 – Brasília

André Richter e Felipe Pontes – Repórteres da Agência Brasil


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin autorizou abertura de investigação contra oito ministros do governo federal, três governadores, 24 senadores e 42 deputados federais. Todos foram citados nos depoimentos de delação premiada de ex-diretores da empreiteira Odebrecht, no âmbito da Operação Lava Jato. O ministro Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo Filho também será investigado

Com a abertura da investigação, os processos devem seguir para a Procuradoria-Geral da República (PGR) e para a Polícia Federal (PF) para que sejam cumpridas as primeiras diligências contra os citados. Ao longo da investigação, podem ser solicitadas quebras de sigilo telefônico e fiscal, além da oitiva dos próprios acusados.

Veja a lista dos ministros, senadores e deputados que serão investigados.

Powered by WordPress | Download Free WordPress Themes | Thanks to Themes Gallery, Premium Free WordPress Themes and Free Premium WordPress Themes
WP-Backgrounds by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann