Posts com a tag ‘Explorando o povo’

“Político que disser que não recebeu caixa 2 está mentindo”, diz Odebrecht


Reprodução


13/04/2017 16h22 – Brasília

André Richter – Repórter da Agência Brasil


O empresário Marcelo Odebrecht disse, em um dos seus depoimentos de delação premiada, que todos os políticos usam recursos de caixa 2 para financiarem suas campanhas. Em um dos depoimentos gravados pela força-tarefa de investigadores da Operação Lava Jato e divulgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Marcelo disse que está mentindo o político que afirma não ter recebido valores não contabilizados em campanhas eleitorais.

Saiba Mais
PT, PMDB e PSDB têm maior número de nomes na lista de investigados
Lava Jato: entenda os próximos passos após a abertura de inquéritos no STF

“Eu não conheço nenhum político no Brasil que tenha conseguido fazer qualquer eleição sem caixa dois. O cara pode até dizer que não sabia, mas recebeu dinheiro do partido que era caixa 2. O político que disser que não recebeu caixa 2 está mentindo”, afirmou o delator.

PT, PMDB e PSDB têm maior número de nomes na lista de investigados


Reprodução


  • 12/04/2017 19h54 – Brasília

Sabrina Craide e Ivan Richard Esposito – Repórteres da Agência Brasil


A lista de ministros, governadores, senadores e deputados que serão investigados por determinação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), tem 16 nomes do PT, 14 do PMDB e 11 do PSDB. Todos foram citados nos depoimentos de delação premiada de ex-diretores da empreiteira Odebrecht, no âmbito da Operação Lava Jato.

A relação também inclui oito nomes do PP, seis do PSD, quatro do DEM, quatro do PSB, três do PR, três do PRB, dois do PCdoB, além dos partidos PPS, PTC e SD, com um nome cada.

Com a abertura da investigação, os processos devem seguir para a Procuradoria-Geral da República (PGR) e para a Polícia Federal (PF) para que sejam cumpridas as primeiras diligências contra os citados. Ao longo da investigação, podem ser solicitadas quebras de sigilo telefônico e fiscal, além da oitiva dos próprios acusados.

STF vai investigar 8 ministros, 24 senadores e 42 deputados citados em delações


Reprodução


  • 11/04/2017 21h38 – Brasília

André Richter e Felipe Pontes – Repórteres da Agência Brasil


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin autorizou abertura de investigação contra oito ministros do governo federal, três governadores, 24 senadores e 42 deputados federais. Todos foram citados nos depoimentos de delação premiada de ex-diretores da empreiteira Odebrecht, no âmbito da Operação Lava Jato. O ministro Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo Filho também será investigado

Com a abertura da investigação, os processos devem seguir para a Procuradoria-Geral da República (PGR) e para a Polícia Federal (PF) para que sejam cumpridas as primeiras diligências contra os citados. Ao longo da investigação, podem ser solicitadas quebras de sigilo telefônico e fiscal, além da oitiva dos próprios acusados.

Veja a lista dos ministros, senadores e deputados que serão investigados.

O Brasil vai desistir de combater o trabalho escravo?

Câmara discute mudar a definição do crime. Condições degradantes e jornada exaustiva deixariam de fazer parte do conjunto de fatores que caracterizam a exploração.

Trabalhador-resgatado-em-oficina-de-costura-em-SP-580x199

Reprodução
Trabalhador resgatado em oficina de costura em São Paulo

Leonardo Sakamoto 

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados aprovou uma proposta que altera o conceito de trabalho escravo contemporâneo, facilitando a vida de quem se utiliza desse crime. O projeto de lei 3842/12, do deputado federal Moreira Mendes (PSD-RO) exclui condições degradantes de trabalho e jornada exaustiva do artigo 149 do Código Penal, que trata do tema.

O que isso significa? E em que contexto se insere?

Movimentos e organizações sociais, além de assessorias parlamentares, que acompanham as mudanças legislativas com relação ao combate ao trabalho escravo já esperavam a aprovação do projeto nessa comissão, que é dominada pela Bancada Ruralista, desde o final do ano passado. Segurou-se o quanto foi possível, mas, finalmente, passou.

Consumidores terão de pagar Conta de Desenvolvimento Energético

energia_iluminacao_publica-9

Reprodução
Conta de Desenvolvimento Energético terá orçamento de R$ 25,96 bilhões em 2015Imagem de Arquivo/Agência Brasil

 

Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil Edição: Graça Adjuto

Criada com o objetivo de promover fontes alternativas de energia – eólicas, de pequenas centrais hidrelétricas, biomassa e carvão mineral, por exemplo – e de universalizar o acesso à energia elétrica no país, a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) terá orçamento de R$ 25,96 bilhões em 2015 e receita ordinária de R$ 2,75 bilhões.

Com isso, será necessária uma arrecadação de R$ 23,21 bilhões, valor que, apesar de ainda preliminar, deverá ser pago por meio de cotas: caberá aos consumidores pagar a diferença e não ao contribuinte – como ocorreu em anos anteriores, quando coube ao Tesouro parte dessa diferença.

Apagão dá as boas vindas à primavera em Tocos do Moji

primavera

Fotomontagem: (Eni)

Um apagão ainda  de causas desconhecidas, atingiu  na madrugada deste domingo (21/09/2014) a cidade de Tocos do Moji . O problema foi registrado de 3h da madrugada de domingo (horário de Brasília) às 10h da manhã do dia 22/09 (segunda-feira).

Na última sexta-feira (19/09/2014),  um apagão idêntico  aconteceu no período das 23h às 4h da madrugada do dia 20/09 (sábado).

Ninguém sabe explicar o motivo. Mesmo que soubessem, nada justificaria  o blackout (blecaute) que está se tornando rotineiro e trazendo muito transtorno a população Tocosmojiense.

Em 2013 os apagões e picos de energia eram constantes.

Leia também:

Tocos do Moji enfrenta apagões e picos constantes de energia

Como diz o dito popular: “Tudo como dantes no Quartel de Abrantes” (antigo dito popular segundo o qual não há novidades e tudo continua igualzinho ao passado)

Só nos resta dá as boas vindas à primavera.

ALMG ‘turbinou’ avião parado e gastou R$ 1,8 mi com fretes

Aeronave emprestada pelo governo à Assembleia não decolou em 2013, mas custou R$ 234 mil

almg

Reprodução
Finalidade. De acordo com a assessoria da Assembleia, aeronaves fretadas foram usadas por deputados em viagens representando a Casa

 

TÂMARA TEIXEIRA

A Assembleia Legislativa de Minas (ALMG) gastou, em 2013, R$ 234 mil para manter e reparar uma aeronave estragada que sequer saiu do chão durante todo o ano. Com o modelo Xingu parado – cedido pelo governo do Estado –, a Casa precisou lançar mão de fretamentos, e não economizou. Entre janeiro e dezembro, foram pagos R$ 1,86 milhão para duas empresas que prestaram o serviço.

Com o valor, seria possível rodar 133 mil km – média de 364 km por dia durante os 12 meses –, o que garantiria aos deputados, pelo menos em tese, presença constante em todas as regiões do Estado.

Powered by WordPress | Download Free WordPress Themes | Thanks to Themes Gallery, Premium Free WordPress Themes and Free Premium WordPress Themes
WP-Backgrounds by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann